domingo, 29 de julho de 2012

Cavalo ou Bispo?



Muitos jogadores iniciantes e até mesmos jogadores de bom nível, excetuando-se, é claro, os Mestres e Grandes Mestres, possuem esse dilema. O que vale mais: Cavalo ou Bispo? Em algumas partidas tive a oportunidade de me deparar com essa pergunta, quando em uma determinada situação havia a possibilidade de trocar Cavalo por Bispo ou vice-versa. Alguns adversários torciam a face quando acontecia esse tipo de situação, como a dizerem: Perdi meu cavalo! Ou: Perdi meu Bispo!

Em todos os manuais de iniciação há a referência ao valor relativo dessas duas peças que por coincidência ou não é 3 (três). Veja bem, leitor amigo, o valor é relativo, portanto, existem outros fatores que pesam nessa valorização. Uma delas é a mobilidade, outra pode ser a posição da peça no tabuleiro. Vastos estudos sobre aberturas, meio-jogo e finais ponderam justamente sobre esse aspecto, ou seja: o valor relativo dessas peças sobre o tabuleiro.

O Diagrama 1 retrata a posição onde o bispo é superior ao cavalo. O bispo possui mais mobilidade que o cavalo, está mais bem posicionado, podendo ir de um lado ao outro do tabuleiro em menos tempo. Nessa situação, o valor do Bispo é relativamente maior que a do cavalo, ninguém há de discordar. Dessa forma, não seria bom para as negras a troca do bispo pelo cavalo, através de 1. ... B:c3.


Diagrama 1

O Diagrama 2 vemos de um relance que a “mobilidade” do cavalo é superior a do bispo, visto que este último encontra-se com movimentos limitados em função de seus próprios peões. Outro fator seria a posição em que o cavalo ocupa, em um posto central, intocável e protegido pelo próprio peão de seu bando. Em função disso, o valor do cavalo seria muito maior que a do bispo adversário, portanto, não teria fundamento prosseguir com a troca 1. C:e7.


 Diagrama 2

Esses dois exemplos retratam claramente quando um é superior ao outro. Se o leitor amigo atentar um pouco mais para as duas posições mostradas, verá que os peões tiveram bastante influência nessa valorização relativa das duas peças (Bispo e Cavalo). No Diagrama 1, a estrutura de peões está móvel, podendo facilmente avançar. Veja que nessa posição o rei e bispo poderão apoiar o avanço dos peões da ala da dama e assim obter um peão passado que provavelmente lhes dará a vitória. Já o diagrama 2, a estrutura de peões está fixa (bloqueada) e o que é pior, os peões negros estão em casas da cor da casa dos bispo negro, dificultando sua mobilidade e deixando as casas brancas livres para que Cavalo e Rei brancos possam invadir a posição pela ala do rei.

É claro que existem outras tantas formas de valorização e que podem indicar se uma troca entre bispo e cavalo seja boa ou má, no entanto, o leitor pode se basear por esses princípios básicos quando enfrentar o dilema dessa troca: Mobilidade e Posicionamento. Ditames estes que podem selar a sorte da partida, tando para a vitória, quanto para a derrota.




Nenhum comentário:

Postar um comentário